A Dona da Banca

Uma pacata dona de casa que vê sua vida virar de cabeça para baixo após ficar viúva e ter que
assumir o lugar do marido na presidência de uma associação de um centro comercial popular
no Rio de Janeiro. A Dona da Banca acompanha a trajetória de Fátima, cuja ascensão ao
poder da máfia traz à tona relações obscuras e as disputas de poder ocultas nos bastidores da
associação, e ela enfrentará a oposição daqueles que querem tomar o seu lugar.

Circunscrito no tempo e no espaço, esse ambiente, no entanto, serve como pano de fundo para
uma abordagem mais ampla a respeito das interações sociais e conflitos entre os personagens
que orbitam a associação. A inesperada chegada da protagonista – uma mulher negra – ao
poder revela paixões, mentiras, ambição e traições.

A Dona da Banca dialoga de forma bem-humorada com o contexto político, social e cultural
contemporâneo do Brasil ao explorar temas como a ascensão de uma mulher ao poder, a
especulação imobiliária, a gentrificação, o processo de impeachment contra a presidenta, a
denúncia de assédio sexual em um concurso de miss e a convivência entre brasileiros e
imigrantes.

 

Criado por Rafael Leal e Marton Olympio

Desenvolvido por Rafael Leal, Marton Olympio, Ana Pacheco, Marcelo Andrade e Sylvia Palma, com a colaboração de Daniel Quintal

Escrito por Rafael Leal, Marton Olympio, Ana Pacheco e Marcelo Andrade

Consultoria de Roteiro: Barry Schkolnick e Maria Carolina

Produção: Clélia Bessa

Coprodução: Rafael Leal e Marton Olympio

Uma realização Dédalo + Raccord Produções